Massagem x sacanagem

Há um tempo que, infelizmente, massagista se transformou em sinônimo de profissionais de outra categoria. Cada vez mais foi aumentando o número de anúncios em jornais e até mesmo em folhetos fixados em locais públicos de supostas massoterapeutas que oferecem muito mais do que uma massagem. Isso não seria um problema não fosse pelo fato de gerar uma grande confusão a respeito dos profissionais sérios da área de massagem.

Toda massagista mulher (principalmente as mulheres), mais cedo ou mais tarde, passará pela constrangedora situação de ver seu trabalho confundido com algo mais; de receber alguma solicitação de outro nível; de ter de responder a perguntas maliciosas ao telefone ou mesmo de sofrer algum tipo de assédio no atendimento. Normalmente, fala-se no famoso “happy end”, mas há também o tal “complemento” (“Você faz algum complemento na massagem?”). Alguns homens julgam, por vezes, que oferecendo um pagamento superior poderão obter esse complemento, sem entender que a questão não é dinheiro, mas profissionalismo. Cada um com sua profissão e o que lhe compete. A função do massagista é trabalhar no corpo do cliente de maneira a tratar alguma dor quase sempre de ordem muscular e/ou tensional. Entretenimento e prazer não são de sua alçada.

Por conta de possíveis constrangimentos e da probabilidade de um assédio, muitas massagistas mulheres se recusam a atender homens, principalmente se no local estarão somente ela e o cliente. Não digo que todos os homens sejam mal intencionados. Mas infelizmente os que buscam um tratamento sério são prejudicados por aqueles que veem na situação uma forma de obter algo mais.

Como diferenciar os profissionais e não passar por uma situação vergonhosa?

1) O meio de divulgação dos atendimentos. Massagistas sérios muito dificilmente colocariam anúncio em classificados de jornal, ainda mais com a associação que isso tem hoje com pessoas que realizam programas;

2) Dificilmente massagistas/terapeutas trabalham com apenas uma técnica. Portanto, um anúncio que, por exemplo, diz “reflexologia, thai yoga massage, acupuntura” e etc. provavelmente não é de um profissional de programas (que costumam oferecer somente massagem);

3) A apresentação do trabalho da pessoa. Confira a apresentação do blog, site ou página no Facebook. Nesses endereços os profissionais costumam inserir sua formação ou outras informações sobre o que fazem. Ninguém vinculado a uma empresa e/ou escola se propõe a fazer “complementos”;

4) Na dúvida, antes de fazer qualquer proposta ou solicitação que venha a constranger ambas as partes (e antes de marcar o atendimento, por favor), pergunte ao profissional como é seu trabalho. Qual o tipo de massagem oferecida e como é realizada. Pelos detalhes você poderá identificar se trata-se de um massagista sério ou não.

E se você, mesmo sem querer, acabar se excitando durante a sessão devido ao toque? Há a probabilidade de isso ocorrer. E com homens a situação é mais complicada, pois algumas vezes não têm como esconder. Desde que isso seja uma consequência natural do toque e não uma tentativa de assédio ou constranger quem está atendendo, o massagista irá encarar o ocorrido como algo normal e ignorar a situação para não causar mais constrangimento ao próprio cliente.

Lembre-se: o fato de ter uma pessoa tocando seu corpo não lhe dá o direito de constrangê-la ou desvirtuar sua profissão. A massagem é um tratamento que visa a saúde de quem a recebe, assim como ocorre em uma sessão de fisioterapia. A ocorrência maior de toques e contato é simplesmente a maneira de o tratamento ser aplicado. Como disse no começo, cada profissional com o que lhe cabe. E se o toque que você busca tem outra conotação, tenha respeito e bom senso e procure os profissionais dedicados a isso.

Anúncios

ABHYANGA

A Abhyanga é uma técnica integrante do sistema terapêutico mais antigo do mundo: o Ayurveda.

Literalmente, significa a arte de oleação do corpo. É uma prática comum em toda a Índia.

Atua distribuindo o óleo aplicado pelo corpo através das células. Mais do que uma massagem relaxante, como é divulgada no ocidente, é um tratamento que visa o equilíbrio dos doshas e a eliminação de toxinas.

Entre os óleos usados estão o de gergelim e o de coco. O óleo usado será determinado pelo dosha do cliente.

É recomendado que a pessoa faça uma avaliação para saber qual é seu dosha (sua constituição segundo o Ayurveda) antes de realizar uma sessão.

Ainda que tradicionalmente seja aplicada como parte de um tratamento, as sessões podem ser realizadas individualmente, visto o grande relaxamento promovido.

Benefícios: melhor qualidade do sono, brilho à pele, eliminação de toxinas, estimula o vigor, recuperação de fadiga, etc.

Duração média da sessão: 1 hora

Atendimentos e seus custos

Para o valor da sessão, o terapeuta precisa considerar vários pontos, entre eles o custo com o próprio local de atendimento.

Um dos maiores empecilhos que ainda persistem para a popularização da massagem no Brasil é o custo individual de uma sessão. Os spas cobram valores exorbitantes (se comparado à média salarial das pessoas “normais”), tornando uma massagem realmente em algo elitizado. Já os terapeutas corporais autônomos cobram um valor mediano, mas que ainda assim parece inviável para muitas pessoas. Em meio a isso, quem acaba lucrando muitas vezes são os pequenos salões de beleza ou as pseudo-clínicas de estética que, por outro lado, cobram valores irrisórios (25,00 uma sessão de massagem relaxante, por exemplo), dos quais, quem sabe, 10,00 devem ser repassados ao profissional. Sem falar nas perguntas que esse fato suscita: que qualidade terá um atendimento oferecido por 25,00? Qual a qualidade do material usado para esse atendimento? Qual é a formação desse profissional?

Lembro-me da vez em que paguei não 25 , mas 45 reais por uma massagem relaxante em um espaço em Porto Alegre. A minha má impressão começou logo pela aparência da sala, que mais parecia uma sauna com outro propósito. As paredes eram de azulejos brancos e pretos e no fundo havia um tipo de banheira/ofurô com uma estátua estilo deus grego ou algo assim. A largura da maca era totalmente inapropriada para uma massagem, obrigando-me a ficar com os braços tensionados para que ficassem em cima da maca. A “profissional” não me perguntou nada. Não realizou nenhum tipo de avaliação; sequer para saber se eu tinha problemas de coluna. Simplesmente disse para eu deitar na maca. Ao longo da dita massagem pude sentir as unhas compridas dela algumas vezes. E o som que tocava era de uma estação de rádio normal. Ao fim da sessão, quando ela saiu para que eu me arrumasse, peguei o pote de creme que havia sido usado para conferir do que era feito. Qual não foi minha surpresa ao descobrir que se tratava de um creme para ressecamento dos pés e pernas (e que foi usado no meu corpo todo!!!!!!!). E assim como foi usado um creme absolutamente inadequado, poderia ter sido utilizado um óleo mineral (do tipo vendido nas farmácias e grandes lojas com cheirinhos gostosos), que tem em sua base petróleo e pode bloquear os poros da pele e causar irritação. Mas o mais surpreendente é que, às vezes, mesmo em spas você pode passar por essa situação, ou seja, de estar recebendo no corpo um produto de qualidade inferior.

Uma saída para clientes e profissionais, algumas vezes, são os pacotes. Isso permite que o cliente faça o tratamento ou o número de sessões necessário para sua melhora sem pesar muito no bolso. Há lugares que, infelizmente, não adotam essa prática. Em alguns casos, isso ocorre porque o espaço tem, digamos, exclusividade sobre uma determinada técnica. Na falta de concorrência, ele cobra o que quiser e mesmo assim mantém uma clientela (que deve ser retida pela qualidade do atendimento). Ainda assim, não acho recomendável. Lembro que no Brasil não é possível pagar massagens por plano de saúde (o que ajudaria), não somente por massagem não ser reconhecido como tratamento aqui, mas também devido aos planos cobrirem apenas atendimento de profissionais graduados em alguma área da saúde.

Pagar barato por uma sessão, pode ser o verdadeiro barato que sai caro. Veja no exemplo que mencionei acima. Paguei 45,00 para passarem creme para os pés no meu corpo todo. Para que você tenha uma ideia, há óleos vegetais (que são os que devem ser utilizados para massagem) que chegam a custar 47,00 (só o óleo). Cada tipo de caso requer um tipo de óleo. O óleo de arnica, por exemplo, é ótimo para dores musculares. E por que não tratar um cliente com esse óleo, em vez de o de semente de uva, já que sei que oferecerá uma grande melhora? A questão é que o profissional precisa repassar o custo com esse óleo no valor da sessão para que não acabe pagando para trabalhar. Quando há, então, massagens que trabalham com óleos essenciais (aromaterapia), o gasto com óleos pode ser bem maior ainda. A massagem balinesa, por exemplo, pode ser feita com óleo essencial de jasmim, para o qual um frasquinho de 2 ml custa 150,00.

É todo um conjunto de elementos: aluguel de sala, objetos básicos para sala (maca, toalhas, apoios), objetos de limpeza, roupa para atendimento, óleos, bisnagas para óleo, aplicadores, agulhas, lençóis….Sem falar, claro, em todo investimento realizado em cursos de formação. Como qualquer outro profissional, o terapeuta também precisa pagar contas e valorizar seu trabalho. Veja quanto cobra um médico por uma consulta particular? Naturalmente que a formação exigida nesse caso é muito maior, porém, a formação de um verdadeiro terapeuta é contínua, fazendo com que ele(a) acabe gastando ao longo do tempo um valor quase similar ao investido em uma graduação de medicina.

Uma coisa fundamental da qual a grande maioria das pessoas se esquece é de que em uma sessão de massagem elas estão colocando seu corpo e sua saúde na mão de outra pessoa. Imagine, por exemplo, pagar por uma sessão de quiropraxia com alguém com qualificação duvidável? Uma manobra errada, e esse profissional pode até mesmo matar o cliente (em outro post falaremos sobre como encontrar um bom terapeuta). Até mesmo uma massagem aparentemente inofensiva como a relaxante pode ter seus danos se não forem observadas as contraindicações.

É inviável barganhar o valor de uma sessão (para não dizer “pouco” ético). Como pagar então? Entre as soluções viáveis estão o fechamento de pacotes, promoções, atendimentos sociais ou descontos oferecidos por motivos diversos (como indicação para outros clientes). E se você tem a pretensão de realizar apenas uma sessão por mês como manutenção, pense que os 120,00 (por exemplo) cobrados pela massagem podem ser pouco comparado ao que você acaba gastando ao longo do mês com futilidades, junk food, bebida ou cigarros. Às vezes, tudo pode se resumir a uma questão de prioridade.

 

 

MASSAGEM SUECA

 

A massagem sueca é um estilo de massagem desenvolvido na Suécia por Per-Henrik Ling no século XIX. Seu objetivo inicial era tratar lesões da ginástica sueca e assim prevenir problemas nas funções do corpo. A massagem sueca é hoje muito difundida pelo nome de Massagem Relaxante ou Massagem Terapêutica (dependendo da necessidade do cliente). Mas a verdadeira massagem sueca trabalha com muito mais do que manobras relaxantes, incluindo também alongamentos durante a sessão.  Ela é altamente terapêutica para dores musculares e lesões, visto sua origem.

Suas manobras, que trabalham o corpo inteiro, envolvem deslizamentos profundos, amassamentos, pressões, fricções e percussões.

Os alongamentos são realizados de maneira passiva, ou seja, com ajuda do terapeuta corporal.

Devido a isso, é fundamental que o terapeuta tenha o conhecimento adequado de anatomia dos principais grupos de articulações e músculos.

A massagem pode ser realizada com óleo ou creme, se o cliente não gostar do uso de óleo.

A duração média da sessão (relaxante) é 1 hora.

A duração da sessão terapêutica pode variar entre 1 hora e 50 minutos.

 

Quem é seu massagista?

Muitos terapeutas e massagistas têm uma formação que vai além dos cursos específicos de massagem.

Há quase 10 anos, estava no último ano da graduação de Letras. Fazia habilitação em tradução do inglês. Aprendi muitas coisas e meu português e inglês melhoraram drasticamente. No entanto, posteriormente, o trabalho diário em escritório foi me cansando e o estresse gerado por esse cansaço começou a se manifestar como sintomas físicos, como dores de cabeça e crises de gastrite nervosa.  Meu corpo dizia cada vez mais para que eu parasse, mas ainda assim persistia na rotina de permanecer sentada, às vezes, 9 horas por dia engolindo muito estresse e “sapos”. Chame obra do destino, ou qualquer outra coisa, mas um dia fui informada de que era hora de sair da empresa e fiz dessa a oportunidade de voltar a me dedicar ao que realmente me dava prazer: o trabalho com massagem e terapias corporais.

Não é incomum encontrar atuando na área de terapias corporais profissionais “emigrantes” de diversas outras áreas (como advogados e profissionais de TI) que, cansados de um estilo de vida extremamente desgastante, procuraram nas terapias um meio de trabalho mais humano e prazeroso, e menos estressante e agressivo ao corpo e à mente.

O fato de virem de outras áreas, como Exatas, os torna menos aptos para exercerem a profissão? Não. Desde que tenham a formação e capacitação necessárias e adequadas, nada os impede de trabalharem como terapeutas/massagistas e de fazerem um ótimo trabalho. Verdade é que há de se ter uma inclinação para lidar com e tocar nas pessoas, mas os que se veem incapazes de gerenciar essa questão geralmente desistem dos cursos logo no começo.

Mas o ponto que gostaria mesmo de destacar aqui é que um massagista ou terapeuta corporal não é alguém que não sabia o que fazer da vida, incapaz de assumir uma profissão com maior status ou que tem pouca formação. Subestimar ou menosprezar as pessoas com base na imagem de que temos de determinada atividade é uma postura equivocada. O seu “mero massagista” pode até ter um mestrado em engenharia. Porque o que você vê como uma profissão simplória é para esse profissional uma atividade altamente compensadora (em vários aspectos).

Assim, na próxima vez que alguém lhe disser que trabalha com massagem ou terapias corporais, procure enxergar além desse título ou do que preconceitos e estereótipos possam lhe fazer pensar.

ACUPUNTURA ESTÉTICA FACIAL

A acupuntura estética facial trata de problemas estéticos ao mesmo tempo em que equilibra as energias do cliente.

Baseada nos princípios da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), a acupuntura estética facial consiste no tratamento de problemas estéticos como marcas de expressão, flacidez e rugas.

Para as aplicações, são usadas as mesmas agulhas da acupuntura coreana, que são menores do que as usadas para a acupuntura sistêmica ou tradicional.

Essa agulhas são aplicadas por meio de um aplicador específico ao longo das marcas ou rugas e também nos locais de flacidez.

Além das agulhas podem ser usados recursos auxiliares para potencializar os resultados, como moxabustão e as pastilhas de silício usadas na acupuntura sem agulhas (Stiper).

O resultado das aplicações dependem basicamente de dois fatores: idade do cliente e profundidade das marcas de expressão.

O número mínimo para um pacote são 12 sessões, sendo esse o número de sessões inicialmente observado para que se tenha um resultado perceptível (mas ainda dependente dos fatores mencionados acima).

A sessão dura em torno de 1 hora, permanecendo o cliente com as agulhas no rosto por 20 minutos.

Antes da primeira sessão é realizada uma avaliação para se determinar o objetivo do cliente e o que poderá ser feito.

A acupuntura estética facial também pode ser associada a sessões de estética facial com uso de máscara esfoliante de silício ou massagem facial.