Silenciar para relaxar

559972_373032692809565_1347657359_n

Por vezes é o terapeuta; por vezes é o cliente. Por outras vezes ainda são ambos. A sessão de massagem começa e tem início uma conversa que simplesmente se estende até o final do atendimento. O que acontece e por que isso deve ser evitado?

Como já foi mencionado em outro post, é essencial que haja antes do início uma avaliação com o cliente para que se saiba seu real estado de saúde e conferir se nenhuma contraindicação é aplicável. Algumas vezes, porém, essa conversa de avaliação é o gancho de que o cliente precisa para dar início a uma conversa que continua mesmo após estar deitado na maca recebendo o tratamento. Sabe-se que muitas pessoas procuram atendimento em massagem por “simples” questão de carência de toque. Para outros, no entanto, essa carência vai um pouco além, fazendo com que procure manter uma conversa com o profissional durante toda a duração da sessão. A conversa pode abranger desde algum acontecimento ocorrido ao longo do dia a questões bem mais pessoais, pois não raramente o profissional de massagem é tomando por um pseudo-psicólogo. E acredito que não seria exagerado até mesmo declarar que algumas pessoas desfrutam mais da conversa do que a própria massagem.

Por outro lado, às vezes quem puxa a conversa e a mantém é o próprio profissional. Eu mesma já passei por essa experiência. Ficava em silêncio, tentando dar a entender à pessoa que gostaria de ficar quieta, mas ainda assim o profissional insistia em falar. Há profissional que talvez pense que ao fazer isso esteja sendo simpático. Há outros que talvez pensem que isso não é muito problemático principalmente em sessões de caráter mais terapêutico, ou seja, para tratamento de dor.

Vivemos hoje em um mundo globalizado, mas onde simultaneamente as pessoas se isolam cada vez mais. Há muita troca de ideias virtual e pouco contato pessoal. Talvez há quem não veja maiores problemas em se falar durante a sessão ou deixar a pessoa falar, mas, sem querer ser cruel, não é nosso papel como massagistas puxar longas conversas com o cliente. Mas e se a conversa também ajudar o cliente a relaxar? Isso se torna um tanto inevitável quando ele(a) é um cliente regular, mas ainda assim deve-se estar muito atento a isso e limitar nossa atuação ao que nos compete (em outro post tratarei da questão do profissional de massagem como pseudo-psicólogo). Como massagistas (e não terapeutas holísticos, com os quais o cliente pode/tem uma abertura maior para conversar), nosso maior foco é o corpo. É o tratamento de dores causadas por fontes físicas ou emocionais manifestadas no corpo. Naturalmente que esse tratamento corporal atua também no sistema nervoso ajudando-o a relaxar, porém ainda estamos atuando a partir do nível físico.

Ao discutir sobre um problema durante a aplicação da massagem, você impede o corpo de relaxar porque fica concentrado na fonte que está gerando a tensão. E mesmo que a fonte da dor seja física (uma LER, por exemplo), o fato de estar falando, rindo ou outra coisa não permite que relaxe totalmente a região sendo manipulada.

No caso do profissional, um dos problemas envolvidos em se manter falando o tempo todo é perder o foco do que está fazendo. Ele(a) pode perder a noção de qual parte do corpo já trabalhou, de quantas vezes a manipulou ou até mesmo do que estava fazendo.

O que fazer para contornar a situação de conversa como cliente e profissional?

Se você é cliente, apenas informe ao profissional (seja antes ou durante a massagem) que deseja permanecer quieto durante a sessão para poder relaxar mais. Se você é o profissional, peça gentilmente ao cliente que evite conversar durante a aplicação para que possa desfrutar melhor do efeito relaxante. Mesmo que a pessoa não consiga relaxar por completo, ela certamente relaxará mais se permanecer em silêncio. Lembro de assistir um episódio da série Seinfeld, em que o personagem principal alega que conversa durante as sessões de massagem pois acredita que assim o profissional não ficará entediado. Se esse for o seu caso como cliente, posso assegurar que isso não é necessário. Raramente você encontrará um profissional de massagem que não gosta do que faz. E assim como você precisa relaxar, ele(a) precisa de foco para ter certeza de que isso (o seu relaxamento) aconteça.

Anúncios